quinta-feira, 19 de outubro de 2006

Don't Mess With Me, Man... As Mulheres no Blues Parte III - A Imperatriz Bessie Smith

De todos adjetivos utilizados para definir, comercialmente ou não as cantoras de Blues um não podemos discutir: a Imperatriz do Blues ! E ela merece esse título e muito mais. Falo de Elizabeth Smith, ou Bessie Smith que vendeu milhões de discos e fez memoráveis apresentações. Podemos dizer que Bessie foi a artista da indústria fonográfica mais bem paga durante a década de 1920, chegando a vender sozinha pela Columbia o que três artistas de outras companhias vendiam juntas ! Foi realmente um fenômeno, mas não do dia para a noite, sua experiência nos palcos começou bem antes. Bessie Smith nasceu por volta de 1894 na cidade de Chattanooga, Tennessee. Ainda criança ficou órfã e junto com seus irmãos menores foi criada pela irmã mais velha, Viola. Com tantas dificuldades para sobreviverem, Bessie e um irmão foram cantar e dançar nas ruas da cidade recebendo alguns trocados das pessoas que ali passavam. Ainda adolescente Bessie passou a integrar o concorrido F.S. Rabbit Foot Minstrels Show, onde passou a viver ao lado de músicos, atores e dançarinos. Por volta de 1918 já conseguia arranjar algumas apresentações sozinha. Somente em 1921 que realizou seu primeiro teste para uma gravadora. Esse teste ficou famoso, porque o dono da companhia era simplesmente Thomas Edison que a recusou registrando junto ao seu nome que sua voz "não era boa". Sem desanimar ela continuou se apresentando em Minstrels Shows e sozinha quando finalmente conseguiu um contrato com a Columbia. Sua primeira gravação foi em Fevereiro de 1923, mas as músicas só chegaram ao mercado em Junho, juntamente com uma turnê para divulgação. Imediatamente a gravadora via uma promessa render algo que não imaginavam: o disco com “Downhearted Blues” e “Gulf Coast Blues” vendeu em pouco tempo cerca de 800.000 cópias e mudou os rumos da própria Columbia e do então inaugurado showbizz. Bessie passou a gravar com regularidade e suas apresentações foram se tornando cada vez mais concorridas. Chegou a receber 2.000 dólares por semana e tinha uma vida confortável. Mas isso não a tirava de confusões com o marido, Jack Ghee, ou com pessoas que a tratavam diferente por ser desbocada e atrapalhada. Somando tudo isso a seu crescente interesse pelo gin fabricado clandestinamente, Bessie passou a ter uma personalidade cada vez mais agressiva, confusa e se separou de Jack, que aparentemente só a explorava. Ainda assim não perdeu o posto de maior cantora de Blues. Mesmo com a grande depressão de 1929, gravou até 1933. Depois dessa data a Columbia não a manteve em seu cast e ela passou a se apresentar em locais pequenos e poucos tinham dinheiro para comprar os discos que ainda restavam (nessa época, um disco de um grande selo custava em média 0,75 cents), muito menos equipamentos para toca-los. A cantora passou a se apresentar em lugares pequenos por poucos dólares. Algum tempo depois começou a planejar um retorno triunfal. As coisas estavam começando a melhorar quando durante uma viagem pela Rodovia 61(em 26 de Setembro de 1937), o carro em que Bessie estava com seu marido (na época Richard Morgan) colidiu com um caminhão que atingiu violentamente o lado do passageiro onde ela dormia. Isso ocorreu nas primeiras horas da madrugada e ela somente chegou ao hospital quando o dia já clareava. A gravidade do acidente e a demora no socorro prestado agravaram a situação e Bessie faleceu algumas horas mais tarde. Morgan passou o resto da vida depressivo e se culpando pela morte daquela que foi a maior estrela (em todos os sentidos) que o Blues já teve. Influência marcante nas cantoras de sua época e também de Billie Holiday, LaVern Baker, Etta James e mais tarde Janis Joplin.

Assista: Bessie Smith - St. Louis Blues (video)

Foto: Bessie Smith fotografada em 1936 por Carl Van Vechten (1880-1964)

2 comentários:

Manuel disse...

Parabéns pelo blogue! Leitura obrigatória pra quem curte blues!

Marcus Mikhail disse...

Valeu Manuel..tem mais coisa boa por vir !!

um abraço

Marcus Mikhail